• Comitê Brasileiro de Acrobacia e Competições Aéreas Brasil

Artigos

image

Conversando com os acrobatas - Eduardo Venson

Mais um competidor vencedor do ano passado nos envia seu depoimento. É o piloto Eduardo Venson, campeão da categoria Intermediária de 2016.
Abaixo, segue a entrevista:


-Onde, como e quando aprendeu a pilotar aviões?

Eu venho de uma família de aviadores e por isso sempre estive dentro de aviões. Desde criança eu já sabia que era isso que eu queria para a minha vida profissional e lazer.

Desde pequeno sempre gostei muito de voar com meu pai, e aos poucos ele foi me ensinando a pilotar e o que era certo e errado dentro da aviação.

Aos 16 anos de idade, fiz meu primeiro voo solo. Foi na aeronave CAP-4 que pertence aos meus tios Walter e Sergio, no Aeroclube de Foz do Iguaçu. Foi certamente um momento de grande emoção, pois meus pais, meu irmão e meus tios sempre foram grandes incentivadores. Devo muito a todos eles.

 

 

-Quando começou a gostar de acrobacia?

Desde de criança eu sempre gostei de acompanhar minha família em shows aéreos. Aquele universo fez parte do meu crescimento. Quando eu era criança, infelizmente, alguns amigos do meu pai faleceram praticando esse esporte, e isso me deixou um pouco apreensivo sobre praticar ou não este esporte. Porém tive a oportunidade de sempre estar perto de grandes pilotos e aprender observando, escutando conselhos e estudando sobre acrobacia. A presença de amigos altamente capacitados me deu segurança para seguir em frente, pois percebi desde pequeno que o mais importante era respeitar os limites do avião, o local onde eu voava e os meus limites. 

 

 

-Como foram os primeiros vôos acrobáticos?
 

Na fase em que eu estava inseguro sobre a acrobacia, o Adilson Kindlemann, meu amigo, me convidou para voar com ele no Decathlon da minha familia. Ele fez manobras básicas com pouco G e ali eu percebi que eu deveria ter feito aquele voo há muito tempo. Do medo veio a paixão, e eu nunca mais parei de voar acrobacia.

 

 

-Em acrobacia, já encontrou alguma dificuldade que precisou ser superada?

A minha maior dificuldade na acrobacia é nas manobras com G negativo, devido ao desconforto que este tipo de manobra causa ao corpo.

Por isso tenho focado uma boa parte dos meus treinos em ficar cada vez mais preparado para lidar com esse tipo de manobra.

 

 

-Quais foram os benefícios que a prática da acrobacia aérea trouxe para seu nível de pilotagem? 

 

Na minha opinião, a acrobacia básica deve ser de domínio de todos os pilotos de aeronave, pois ela nos deixa mais preparados para evitar atitudes anormais ou caso elas ocorram você terá o conhecimento de como sair dela com segurança.

 

 

-Na sua opinião, qual a melhor forma de treinar para um campeonato?

Acho que a melhor maneira de se treinar é em equipe, sendo fundamental ter algum piloto com um radio acompanhando o seu voo do chão. Nesse tipo de competição, os detalhes fazem toda a diferença, e ter alguém te observando e corrigindo instantaneamente, nos permite refazer a manobra quantas vezes forem necessárias, buscando sempre a superação. Aproveito para agradecer aos amigos que sempre me ajudam observando meus voos, fazendo sugestões e ajustes que se refletem nos campeonatos que tenho participado e na minha qualificação como piloto. Pessoas como Italiano, Francis Barros, Dell'Aglio e em especial ao meu pai Wander Venson, meu irmão Alexandre Venson, Adilson Kindlemann e Eduardo Haupt.

 

 

-Tem alguma opinião geral sobre a competição que participou?

Só tenho elogios a fazer em relação aos campeonatos do CBA. Devido a grande amizade que eu tinha com o Dell'Aglio e que tenho com o Soriani, o Francis e a Cris, eu sempre pude acompanhar os bastidores e saber a dificuldade que é organizar um campeonato. Valorizo muito toda a equipe que tanto se dedica para que possamos sempre evoluir na acrobacia brasileira. Participar dos campeonatos da CBA é sempre uma festa, pois estamos todos juntos, como uma grande familia, buscando sempre a superação e evolução no esporte. 

 

 

-Pretende seguir competindo? Quais os planos para o futuro?

 

Sim.  Meu foco para o ano de 2017 será voar na caterigoria intermediaria ou talvez na avançada .

Tenho vontade de competir fora do Brasil, porém de forma mais esportiva, com o intuito de adquirir experiência e claro, me divertir.

 

 

-Tem algum conselho para quem deseje aprender acrobacia aérea?

 

É importante que você tenha acesso à um bom avião, adequado para a prática de acrobacia e procure um bom instrutor para te ensinar. Contratar um instrutor capacitado é um investimento pois acrobacia é um esporte seguro desde que feita de forma correta e progressiva.

 

Artigos